blog-post-tijolos-para-alvenaria

Tijolos para alvenaria: saiba como escolher

Veja as diferenças entre bloco de cerâmica, tijolo baiano, tijolo maciço, bloco de concreto comum e celular. Assim, você opta pelos melhores tijolos para alvenaria!

Os tijolos para alvenaria estão entre os materiais básicos para construção e não podem faltar na sua lista de compras. Afinal, são eles que vão compor as paredes da sua edificação. Entretanto, existem tipos diferentes disponíveis nas lojas, e fica difícil saber qual é a melhor opção.

Assim sendo, a Cerâmica Ermida listou os 5 principais tijolos para alvenaria utilizados no Brasil. Em seguida, você confere os benefícios e as desvantagens de cada uma delas. Dessa forma, você pode escolher e decidir qual é a melhor opção para a sua obra!

Quais são os tijolos para alvenaria mais usados

As possibilidades de materiais para levantar uma casa são inúmeras. Mas, em território brasileiro, cinco opções se destacam: o bloco de cerâmica, o tijolo baiano, o tijolo maciço e os blocos de concreto comum e celular. Saiba mais!

1. Bloco de cerâmica

Quando o assunto é custo-benefício, o bloco cerâmico estrutural é a melhor opção entre os tijolos para alvenaria. Isso porque o material é resistente, tem bom isolamento térmico e acústico. Ele ainda é econômico, pois requer uma quantidade reduzida de argamassa e de reboco.

Além disso, ele é leve, o que facilita o descarregamento do caminhão, seu transporte no canteiro de obras e seu assentamento. Dessa maneira, a produtividade aumenta. O seu tamanho – maior do que um tijolo comum, por exemplo – também permite mais agilidade na construção.

Por fim, é um dos materiais que tem maior variedade de tamanhos e formatos. Dessa forma, é possível usar blocos especiais para fazer as instalações hidráulicas e elétricas dentro da alvenaria. Por consequência, não há necessidade de quebradeira e há diminuição de entulhos e redução de desperdícios.

2. Tijolo baiano

Esse material tem, em seu interior, entre 6 e 12 pequenos canais em forma de prisma, que são os chamados “furos”. São eles que permitem que a peça se torne mais leve. Na parte externa, ele apresenta ranhuras que facilitam a aderência da argamassa.

Trata-se de um dos tijolos para alvenaria mais populares no Brasil por causa de seu baixo custo. No entanto, é necessário ficar atento, pois o barato pode sair caro. De uma forma geral, o tijolo baiano não costuma dispor de controles rigorosos durante sua produção. Por isso, é necessário pesquisar a sua origem para garantir a sua qualidade.

Fora que esse material é menos resistente e não aguenta cargas estruturais. Assim sendo, não é indicado para alicerces, apenas para alvenaria de vedação.

3. Tijolo maciço

Também chamado de tijolinho ou de tijolo comum, ele é feito de barro cozido e pode ser uma boa opção para quem quiser deixar a parede sem revestimento. Confere, assim, um aspecto rústico, charmoso e aconchegante à decoração. Desse modo, é mais frequente utilizar o material em muros ou em paredes pontuais de um projeto, em vez de na construção inteira.

Entre suas vantagens, podemos citar a resistência, o preço razoável por metro quadrado e a boa capacidade de isolamento de temperatura, umidade e sons. Contudo, ele leva mais tempo para assentar, exigindo cuidado e empenho da mão-de-obra, principalmente se for ficar exposto. Dessa maneira, pode ser que sua instalação comprometa o cronograma da obra. Leve esse tempo extra em consideração, se acaso essa for a sua escolha!

4. Bloco de concreto comum

Com alta resistência, ele é capaz de suportar cargas elevadas e pode ser usado tanto na alvenaria de vedação quanto na estrutural. Entretanto, essa característica dificulta reformas depois que a casa estiver pronta, pois é mais trabalhoso e custoso quebrar a parede.

Fora que sua dureza torna as peças mais pesadas e difíceis de manusear, o que pode diminuir a produtividade da construção. Por outro lado, o fato de cada bloco ser grande, ter tamanho padronizado e acabamento bem regular agiliza seu assentamento e compensa por qualquer atraso no cronograma de obra.

Outro ponto negativo é que o material tem o menor conforto térmico entre os tijolos para alvenaria que citamos aqui. Ou seja, uma edificação feita com blocos de concreto não isola tão bem as temperaturas externas. Isso gera um gasto maior com energia no futuro, já que a necessidade de utilizar ventilador ou ar-condicionado é maior.

Enfim, ele é uma alternativa menos sustentável. Afinal, utiliza o cimento como matéria-prima, o qual emite maior quantidade de poluentes durante sua fabricação. Isso quando fazemos a comparação com o barro e a cerâmica, por exemplo.

5. Bloco de concreto celular

Os blocos de concreto celular são uma boa alternativa para obras que têm o prazo apertado. Isso porque eles são mais leves: pesam cerca de 600 kg/m³, enquanto os comuns podem chegar a 1400 kg/m³. Dessa maneira, são mais fáceis de instalar, agilizando a construção.

Isso acontece porque, além de cimento, água e areia – mistura tradicional para produzir concreto – esses materiais recebem uma injeção de espuma ou de algum outro agente expansor. Como resultado, pequenas bolhas de ar se formam em seu interior, trazendo leveza para as peças, sem diminuir sua resistência.

Por causa de sua composição, esse bloco apresenta alto isolamento termoacústico e até resistência ao fogo. Entretanto, possui um preço elevado, o que pode acabar comprometendo o orçamento da construção.

Quais os melhores tijolos para alvenaria?

Em conclusão, o que importa é definir, de maneira clara, quais são as prioridades da sua obra.

Se você preza por um ótimo custo-benefício, aposte nos blocos cerâmicos. E quem quer tijolos para alvenaria de alta qualidade, com ótimo desempenho e um preço que cabe no seu orçamento vem para a Cerâmica Ermida! Não deixe de fazer um orçamento conosco. Queremos fazer parte da sua construção!